Reunião Geral da SBBF: “No Faial, damos bom e rigoroso uso aos apoios atribuídos ao Património Baleeiro”

Nesta Reunião Geral foram destacados os pontos positivos de 2017 e aqueles que épreciso melhorar, bem como apresentada a Época de 2018

Foi muito participada a Reunião Geral da Secção de Botes Baleeiros do Faial (SBBF), que decorreu na noite desta sexta-feira, 2 de Fevereiro, no Centro de Formação de Desportistas Náuticos do Clube Naval da Horta (CFDN-CNH).

Fazer o Balanço ao trabalho levado a cabo na Época de 2017 e discutir aspectos centrais da preparação da Época de 2018, foram assuntos abordados neste encontro de trabalho, em que esteve presente um número muito significativo de Oficiais e Tripulantes de Botes em Vela e Remo, Tripulantes de Lanchas, Membros das Comissões de Regata, além de todos os membros da Comissão da Secção.

Os trabalhos foram dirigidos pelo Presidente da Direcção do CNH – simultaneamente membro da Comissão da Secção de Botes Baleeiros do Faial – José Decq Mota, que se fez acompanhar, na Mesa, pelos Presidentes das Juntas de Freguesia das Angústias, José Bagaço; de Castelo Branco, Vitor Pimentel; do Salão, Sérgio Gomes; e, também, pelos Representantes das Juntas de Freguesia da Feteira, Rui Castro; e do Capelo, Ilídio Matos. Presentes estiveram, igualmente, os outros dois membros da Direcção do CNH que integram a Comissão da Secção de Botes Baleeiros do Faial: Vítor Mota e Luís Alves.

Os trabalhos começaram com a intervenção de José Decq Mota, que procurou caracterizar, em linhas gerais, o trabalho feito pela Secção de Botes Baleeiros do Faial, considerando-o “positivo, quer pelo uso intenso que é dado ao património recuperado, quer pelas muitas pessoas que envolve, quer, ainda, pelo rigor posto em todas as actividades”.

A este propósito, o Presidente da Direcção do CNH sublinhou que, “para manter este nível de actividade, é fundamental ter a capacidade de chamar sempre mais praticantes, continuar a manter o material bem conservado, saber corrigir o que corre menos bem e dar permanente atenção à organização das deslocações”.

Este Dirigente concluiu a sua intervenção frisando que, “no Faial, todos os que estão envolvidos nesta actividade dão bom e rigoroso uso aos apoios atribuídos ao Património Baleeiro pela Direcção Regional de Cultura e, assim, terá de continuar a ser feito”.

O bom e o menos bom de 2017

Passando ao ponto relacionado com o Balanço à Época de 2017, verificaram-se várias intervenções, sobressaindo a forma “positiva” como decorreu o Campeonato de Vela em Bote Baleeiro da Ilha do Faial; o esforço realizado para crescimento da prática de Remo em Bote Baleeiro, com Equipas Masculinas e Femininas; a participação Faialense no Campeonato Regional de Vela e Remo em Bote Baleeiro, decorrido em Santa Maria; e, ainda, “a excelente” participação na X Regata Internacional de Botes Baleeiros, que aconteceu na cidade de New Bedford, nos EUA.

Foi, também, registada como “positiva e muito importante” a viagem da “Walkiria” a Santa Maria para ser a lancha da Comissão de Regata do Campeonato Regional.

Ainda no rol das actividades que correram bem, há a destacar as participações nas Regatas no Pico e a participação – pela primeira vez – de uma Tripulação Faialense numa Prova de Perícia nas Lajes do Pico.

A organização de Passeios em Bote Baleeiro, nomeadamente por altura do Festival Náutico da Semana do Mar; a mobilização de mais praticantes, tanto para os Botes (Remo e Vela), como para a Tripulação das Lanchas, para integrar as Comissões de Regata e, ainda, para a Equipa de Segurança nos Treinos, foram aspectos apontados como menos positivos e, que, “interessa melhorar de imediato”.

Época de 2018 muito intensa

Passando à Preparação da Época de 2018, novamente foram registadas várias observações, opiniões e sugestões, que irão ser estudadas pela Comissão.

De salientar as propostas que visam a Abertura de Inscrições em 2018 para a prática de Vela e Remo em Bote Baleeiro; a realização de Formações de natureza inicial e outras mais especializadas; a realização de esforços para captar, de modo organizado, praticantes juniores; a melhoria da organização das deslocações em vários aspectos, concretamente os regressos a reboque feitos, por vezes, com pouca gente; o cuidado a ter na organização da Regata Comemorativa dos 60 anos do Vulcão dos Capelinhos (Regata de Santana); a necessidade das Tripulações que participarão na Regata Internacional de 2019 (Faial e Pico) terem um plano de treinos já em 2018; a urgência de serem definidos, este ano, os critérios para organização das selecções que participarão na Regata Internacional em New Bedford, no ano de 2021; a participação de uma ou mais Tripulações Faialenses na Prova de Perícia nas Lajes do Pico; a abertura de um debate sobre a possibilidade de vir a ser organizada no Faial uma Prova de Perícia; a colocação junto dos Botes – quando varados na rampa de Santa Cruz ou em portos que visitem – de Placas de Identificação com as características de cada um: história e dados relevantes do valor desse património; a importância de serem feitas no Faial, já em 2018, mais Regatas de Remo (Masculino, Feminino ou Misto).

Os Calendários para 2018 estão definidos e os botes do Faial irão realizar o Campeonato de Ilha (composto por 8 Regatas); o Campeonato Regional Vela e Remo (a realizar em São Mateus da Calheta, na ilha Terceira); e as Regatas do Pico, nos termos acordados em 2013.

Foi deixada a ressalva de que “serão meticulosamente organizados” os Passeios da Semana do Mar e os Passeios com Tripulantes de Regatas Internacionais.

A Reunião terminou com a ideia clara de que “este é um projecto que tem futuro!”