Clube Naval da Horta apresentou “Atlantis Cup – Regata da Autonomia” na Casa dos Açores de Lisboa

Depois de muitos anos de trabalho afincado a divulgar os Açores através da organização de eventos nacionais e internacionais, sobretudo no mundo da Vela, o CNH vê finalmente o seu esforço reconhecido, perante a afirmação do Secretário Regional do Turismo e Transportes, de que o Turismo Ambiental e dentro deste, de forma muito especial, o Turismo Náutico, vai ser uma aposta deste departamento governamental rumo ao reconhecimento e aproveitamento das enormes potencialidades da Região para este sector, captador de um vasto segmento de mercado.

Na tarde desta sexta-feira, dia 14, a Casa dos Açores de Lisboa, sita à Rua dos Navegantes, incarnou verdadeiramente o nome de cantinho dos ilhéus, ao acolher a Apresentação da XXVI edição da “Atlantis Cup - Regata da Autonomia”, que tem como entidade organizadora, o Clube Naval da Horta (CNH).

A sala escolhida encontrava-se lotada com açorianos, amigos e convidados, que foram acolhidos com abraços, vastas recordações de tempos há muito idos, e alguns acepipes típicos das ilhas, como sejam o queijo e o bolo de milho do Faial, o vinho do Pico e as D. Amélias da Terceira.



O Presidente da Casa dos Açores de Lisboa, Dr. Miguel Loureiro, deu as boas-vindas a todos e congratulou-se com o facto de a “sua” Casa servir de palco à apresentação de duas regatas açorianas: a “Atlantis Cup - Regata da Autonomia”, organizada pelo Clube Naval da Horta, que decorrerá em Julho e Agosto, culminando em plena Semana do Mar, e a “Regata 8 aos Ilhéus – Angra Bay Cup”, da responsabilidade do Angra Iate Clube.

O colaborador do CNH em Lisboa, Rodrigo Moreira Rato, convidou os presentes a partilharem a magia dos Açores, vivendo estes dois fantásticos momentos de competição e diversão, cujo apetite foi aberto com a apresentação de dois pequenos filmes alusivos a estas duas diferentes travessias marítimas. Em representação do Diretor Regional do Turismo dos Açores, o Dr. Eduardo Elias, frisou o “importante papel da Marina da Horta, a quarta mais frequentada do mundo, e a excelente divulgação que tem vindo a ser feita pelo Clube Naval, representando a cidade da Horta, expoente máximo da Vela nos Açores”.

Relativamente à Marina de Angra, classificou-a como “uma das mais amigas”, a qual “tenta atrair o turismo que visita a ilha do Faial”.

“Os açorianos sabem receber calorosamente e abraçar todos aqueles que os visitam”, frisou este representante do Turismo. O representante da Liberty Seguros, Rodrigo Esteves, empresa parceira de ambas as Regatas, referiu a ligação que existe há já alguns anos e realçou, a propósito: “Orgulhosamente, desde os últimos 5 anos que fazemos parte destes dois eventos náuticos. Temos uma relação forte com os nossos parceiros açorianos, que se têm revelado leais. Portanto, agradecemos aos Açores por nos terem acolhido”.

Recorde-se que a Liberty Seguros está em Portugal desde há 10 anos e nos Açores há cerca de 8.

Falando da “Atlantis Cup – Regata da Autonomia” e do Clube Naval da Horta, naturalmente que não podia faltar o atleta de Vela de alta competição deste Clube, Rui Silveira, que recordou já ter feito duas vezes esta Regata, tendo a equipa de que fazia parte, a bordo do “Xcape” de Luís Quintino, celebrado a vitória.

Refira-se que Rui Silveira se encontra em Lisboa há 5 anos, precisamente para poder evoluir e ganhar asas na sua modalidade de eleição. Detentor de alguns títulos regionais, nacionais e até mesmo fora do país, este jovem convidou os presentes a experimentarem esta aventura de fazer uma regata que liga quatro ilhas: Santa Maria, São Miguel, Terceira e Faial. “Embarquem no sonho e façam uma rota única, onde se respira competição, turismo, convívio e muita hospitalidade”, sustentou.

Quem também marcou presença foi a tripulação do “Giulietta”, vencedor da volta a Portugal à Vela de 2013, já inscrito na “Atlantis Cup - Regata da Autonomia” 2014, prova que, desde 2009, passou a integrar uma quarta perna, ao incluir a ilha de Santa Maria.

Por seu turno, José Decq Mota, Presidente da entidade organizadora da “Atlantis Cup” agradeceu a possibilidade de estar a apresentar este evento de promoção da Região, na Casa dos Açores de Lisboa. Este responsável reproduziu as palavras recentemente proferidas pelo Secretário Regional do Turismo e Transportes dos Açores, Dr. Vítor Fraga, que afirmou que a opção desta entidade passava pelo Turismo Ambiental e dentro deste, de forma muito especial, pelo Turismo Náutico. “Foi a primeira vez que os desportos náuticos, e a Vela em particular, foram destacados como sendo meios de divulgação e atracção aos Açores”, frisou o responsável pelo clube naval mais dinânico e internacional dos Açores: o Clube Naval da Horta.

José Decq Mota endereçou palavras de agradecimento ao Dr. Miguel Loureiro, a todos os que prestigiam e representam a Vela e que estavam ali, bem como ao atleta do CNH, Rui Silveira, um embaixador da ilha do Faial no Continente português e no estrangeiro.

Este dirigente referiu o facto “muito gratificante” de poder estar com o Presidente do Angra Iate Clube, “com quem o Clube Naval da Horta tem uma relação muito fraterna, assim como com os restantes clubes navais açorianos”. Este responsável salientou a “importante” participação terceirense na “Atlantis Cup - Regata da Autonomia”.

A tarde e a noite foram mesmo açorianas. Na vasta assistência encontravam-se também os dirigentes máximos da Associação Açoriana de Pesca Desportiva de Mar, Carlos Palhinha e Pedro Mata, com quem José Decq Mota se juntou para uma reunião com o Presidente da Federação Nacional de Pesca de Mar, que decorreu na tarde deste sábado, dia 15, no espaço da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), com vista à programação do Campeonato Nacional de Big Game Fishing, que se realiza em Setembro próximo na ilha do Faial, e que está a ser organizado pelo Clube Naval da Horta.

Desde há muito que o CNH se vem evidenciado na organização de regatas internacionais, cujo leque se alarga este ano, tanto em termos de novidade, como de espaço temporal, uma vez que se irá realizar pela primeira vez, no próximo mês de Setembro, a Regata Lorient-Horta-Lorient em solitário, sendo esperada a participação de cerca de 30 veleiros da Classe Figaro-Bénéteau.

Dirigindo-se ao Vice-Presidente da Câmara Municipal da Horta, Dr. Luís Botelho, que se encontrava na mesa de honra, José Decq Mota enfatizou a importância de ter a autarquia como parceira na “Atlantis Cup - Regata da Autonomia”.

O Presidente do CNH fala da Vela com conhecimento de causa, sendo praticante desde adolescente, além de já ter feito pelo menos 8 vezes, a “Regata da Autonomia”. Partilhando a sua experiência, disse que se trata de uma regata de cruzeiro “aliciante”, realizada no meio do Atlântico, “com opções nada fáceis de escolher”. “Tratando-se de uma travessia costeira, não deixa de ser exigente”, alertou.

Num verdadeiro tabuleiro de intervenientes, juntou-se à lista mais um ilhéu, desta feita do arquipélago da Madeira: Miguel Freitas, Vice-Presidente da Federação Portuguesa de Vela. Este responsável revelou o orgulho que é a divulgação de duas regatas dos Açores na capital do país, agradecendo o convite e felicitando os dois clubes pela organização de “magníficas provas, a cujo nível de excelência já todos estamos habituados”. E sublinhou: “Quero felicitar a coragem, o arrojo, o empenho e o esforço por virem à capital apresentar as vossas provas”.

Coube ao Vice-Presidente do CNH, Jorge Macedo, explicar as questões técnicas da “Atlantis Cup - Regata da Autonomia”. Este responsável destacou o facto de já haver inscrições de vários continentes: Ásia (Hong Kong), América (New Bedford) e Europa: Madeira e Cascais.

Augusto Silva, Presidente do Angra Iate Clube – um dos mais novos dos Açores, com 19 anos de existência – explicou que a “Regata 8 aos Ilhéus” irá decorrer a 22 de Junho próximo, na Cidade Património dos Açores (Angra do Heroísmo), sendo um percurso de 12 milhas aos Ilhéus das Cabras e dos Fradinhos, que acontece por altura dos maiores festejos daquela ilha: as Sanjoaninas. Augusto Silva agracedeu o apoio recebido do Turismo, da Casa dos Açores de Lisboa, do colaborador do CNH, Rodrigo Moreira Rato, e do Clube Naval da Horta.

Vencidas as tormentas marítimas, no momento de erguer a taça evocativa da vitória, há que assinalar o momento de forma indelével. Sabendo disso, e aproveitando os bons ventos, a Adega Vitivinícola da Ilha do Pico, dirigida pelo engenheiro Ernesto Ferreira, apresentou o vinho Lajido, com que foram brindados os presentes.

Ernesto Ferreira expressou o seu contentamento por esta oportunidade que constituiu um momento de divulgação, além do que aconteceu na Bolsa de Turismo dos Açores deste ano. E rematou: “Depois dos eventos náuticos, juntámos a este pacote, mais um produto de excelência, nascido na zona Classificada como Património Cultural da Humanidade, que é a Paisagem Protegida da Vinha do Pico.

 




                  arc_logo