Libério Santos, do Clube Naval da Horta: primeiro atleta dos Açores a realizar Horta-Madalena-Horta – Sprint na Classe Access



A partir de hoje, os atletas açorianos da Classe Access (Vela para pessoas com mobilidade reduzida) podem inscrever-se para bater recordes no que respeita a esta Classe. O pontapé de saída foi dado na manhã de hoje, dia 17, pelo velejador do CNH, Libério Santos, que fez Horta-Madalena-Horta – Sprint em 2 horas, 34 minutos e 21 segundos.

No Clube Naval da Horta (CNH) o dia de hoje (17 de Dezembro) é de festa e ficará para a história, com o recorde pessoal conseguido pelo velejador Libério Santos, da Classe Access 2.3 (Vela para pessoas com mobilidade reduzida).

Tal como foi divulgado esta segunda-feira (dia 15) o atleta do CNH propunha-se fazer Horta-Madalena-Horta – Sprint (http://horta-madalena-horta-sprint.cnhorta.org) no menor tempo possível. Mesmo sem as condições ideais, a proeza foi alcançada em 2 horas, 34 minutos e 21 segundos.



“Correu bem e estou satisfeito. Apesar de a viagem Madalena/Horta ter sido mais difícil, com mais vento o que fez com que entrasse água no barco obrigando-me a parar para retirá-la, pensava que no total ia levar mais tempo. Foi rápido”. É assim que o velejador define este desafio que considera como “um recorde”, sublinhando que está pronto para repetir a iniciativa.

Libério Santos, visivelmente orgulhoso de si próprio, fez questão de agradecer o apoio do seu Treinador, João Duarte, bem como de todos os Dirigentes e membros do Clube Naval da Horta que o acompanharam e motivaram neste desafio.

Á chegada, o Treinador da Classe Access do Clube Naval da Horta, João Duarte, caracterizava este desafio como tendo sido “uma maravilha, num dia com sol”. Apesar de considerar que se tratou de “uma prova durinha”, João Duarte realça que “o estado de espírito do velejador foi sempre muito bom e que o percurso não podia ter corrido melhor”. A 1ª perna (Horta/Madalena) foi feita numa hora, 20 minutos e 21 segundos e a 2ª (Madalena/Horta) numa hora e 14 minutos. Até ao Pico o vento soprou com a intensidade de 12/13 nós, ao passo que no regresso ao Faial aumentou de intensidade, com rajadas de cerca de 18 nós. “Na viagem do Pico para o Faial apanhámos vento por trás e muita ondulação, o que fez com que o Libério tenha parado por diversas vezes para retirar água da embarcação”, explica o Treinador.


“Este Sprint tem um significado muito especial para este tipo de atleta, representando a superação, a coragem, a afirmação e a inclusão”, sustenta João Duarte

Fotografia de: Cristina Silveira

Recorde-se que esta iniciativa do CNH visou comemorar o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, que se assinalou no dia 3 deste mês. No entanto, as desfavoráveis condições climatéricas não permitiram que o Sprint tivesse sido realizado nessa data, pelo que se concretizou hoje.

Relativamente à importância deste evento, João Duarte salienta que “representa claramente a superação da pessoa com deficiência, que revela coragem e determinação, sendo sinal de inclusão e afirmação da pessoa em si”. “É a prova de que todos são capazes de ir mais longe, testando os seus limites”, frisa este Técnico em Educação Especial e Reabilitação.

O Treinador de Vela da Classe Access do CNH explica que esta iniciativa foi o cumprimento de uma promessa feita aquando da realização do Campeonato Nacional da Classe Access em Viana do Castelo, no ano de 2013, em que foi acordado que o melhor velejador em prova seria o primeiro a enfrentar este desafio.

No entender do Presidente da Direcção do CNH, José Decq Mota, que fez questão de acompanhar o atleta, “o Sprint correu bem”. Quanto ao tempo, afirma que “as condições no Canal estavam no limite” e que “a ondulação, com vento e maré, intensificou-se na viagem de regresso, o que fez com que o Libério se tenha molhado”.

O facto de o vento ter crescido entre a Madalena e a Horta provocou diversas paragens. Por isso, José Decq Mota não tem dúvidas em afirmar que “o tempo realizado poderia ter sido menor, em cerca de 20 minutos”.

O Presidente da Direcção do CNH congratula-se com “a vontade e desempenho deste atleta” e diz que “ainda bem que não se desistiu de fazer o Sprint, apesar das condições, onde o frio foi uma constante”.

De realçar que nos Açores, Libério Santos foi o primeiro atleta da Classe Access a conseguir realizar uma iniciativa deste género.

“O objectivo agora é ir tentando bater o tempo que este velejador alcançou. Por isso, dentro das regras existentes, quem quiser pode inscrever-se para tentar bater recordes”, salienta este Dirigente.

De realçar que atletas de diversas Classes do Clube Naval da Horta já realizaram Sprints em anos anteriores, seguindo este recorde uma linha de continuidade nesta instituição.

O percurso, que teve o seu início por volta das 08h45, contou com o apoio da lancha “Walkiria” em termos de segurança e onde seguia o Presidente da Direcção; e dos semi-rígidos “Piloto João Lucas” onde ia o Treinador João Duarte, figura central de motivação e confiança do velejador; e “Tabarly”, onde seguia o Júri do Sprint, Luís Paulo Moniz e o terapeuta ocupacional da Associação de Pais e Amigos dos Deficientes da Ilha do Faial (APADIF), Nilzo Fialho.


Clique no percurso para ver no Google Earth

Veja as fotos do evento no site CNH/Arquivo/Galeria ou no Google+ do CNH