Projecto “School at Sea”: “Thalassa” sai de Cuba em direcção às Bermudas

A inscrição na t-shirt de Mariana Rosa conduz-nos até “Habana”

O navio-escola “Thalassa” – Projecto “School at Sea” – chegou a Cuba no dia 10 do corrente e deverá partir esta quarta-feira, 21, com destino às Bermudas.

Mariana Rosa – velejadora do Clube Naval da Horta (CNH), que se encontra a fazer a viagem no âmbito deste Projecto educativo holandês, que reúne alunos de todo o mundo, do ensino secundário, com idades entre os 14 e os 17 anos – descreve-nos mais uma etapa da jornada.

Esta faialense e Miriam Pinto (algarvia) – ambas alunas da Escola Secundária Manuel de Arriaga (ESMA), da Horta – são as únicas portuguesas na  temporada 2017/2018.

Na conversa mantida com a mãe (Susana Rosa) na tarde desta segunda-feira, dia 19, a velejadora do CNH demonstrou-se “muito satisfeita” com a expedição feita em Cuba e confidenciou que adorou o país e principalmente as pessoas.

Diário da Expedição a Cuba 

Os grupos foram alterados. Desta vez no meu está a Floor, a Minke W,  a Kiki, a Caya, a Jasmijn, o Floris, o Quinten e o professor Sander.

Tivemos por dia 30€ por pessoa para gastar em transportes, comida e dormida.

1° Dia:

O primeiro dia começou com uma despedida. O Jelle, o cozinheiro, voltou para a Holanda e agora o serviço de cozinha vai estar todo por nossa conta. Não foi nada fácil dizer adeus, depois de quase 4 meses de convivência a bordo.

Feitas as despedidas, o meu grupo foi o primeiro a sair do barco, em Cienfuegos, por volta das 9h.

Quando chegámos a terra, fomos logo trocar o dinheiro por Cuc, o peso cubano.

Depois disso, tivemos de andar pela cidade até chegar aos autocarros, onde fomos num táxi até Havana, 233 km a norte.

A meio do caminho, o taxista parou para fazer uma pausa, onde o Sander nos comprou gelados muito bons e refrescantes.

Depois de 4h de viagem, chegámos à cidade de Havana. Começámos logo por procurar um sítio para dormir e conseguimos arranjar uma “casa” (hostel) por 100 Cuc, para duas noites.

Descansámos um pouco e fomos passear. Mal chegámos ao centro, fomos comprar churros por 0.50 Cuc e depois já era quase hora de jantar e seguimos até a um bar/restaurante e apercebemo-nos que a comida era muito barata. Eu partilhei com o Sander, o professor, massa com chouriço e uma omelete mista com bacon, chouriço queijo e cebola e ainda trazia arroz, batata frita e salada.

Antes da comida chegar, uns senhores no restaurante estavam a tocar música e eu, a Caya, o Floris e o Quinten, fomos dançar. Foi muito engraçado e divertido.
Quando acabámos de comer, fomos passear pela cidade e arranjar um lugar para comer sobremesa e depois de muita procura, lá encontrámos um restaurante e pedimos smothies e bolos, porque tínhamos de aproveitar, já que no barco não há.
Fomos a algumas lojas de lembranças e ao voltar para trás ficámos meios perdidos, mas como todas as ruas têm o nome de uma cidade e nós tínhamos um mapa, resolvemos o assunto.

2° Dia:

Acordámos, preparámo-nos e fomos à procura de pão. Tínhamos trazido nutela do barco, por isso comprámos bananas para a Floor (ela não pode comer glúten) e queijo e sentámo-nos no parque a comer. Depois comprámos internet e tivemos 1h a falar com os nossos pais e amigos.

Tentámos ir ao Museu do Chocolate mas tínhamos de ficar muito tempo à espera. Então decidimos ir ao Museu da Cidade, que conta a história de Cuba e que é muito interessante.
Depois do Museu, ao passear pelas ruas, encontrámos um restaurante barato e decidimos comer lá.

À tarde tivemos a passear. Fomos até à Catedral de Havana, comemos gelados, conversámos e por volta das 7h fomos arranjar sítio para jantar.

Ao início íamos jantar num bar muito barato, mas 2 pessoas não queriam e então fomos ver um restaurante, mas começou a ficar uma confusão porque não estávamos a decidir nada e então sentámo-nos no meio da Plaza Vieja e conversámos sobre o que se estava a passar e depois de tudo resolvido, fomos a um restaurante.

Após o jantar, voltámos para “casa” e decidimos o que íamos fazer no dia seguinte e depois fomos dormir.

school at sea mariana rosa expedicao cuba 4 2018

“Fomos parar ao centro de Havana, onde encontrámos o Capitólio”

3° Dia:

Como já tínhamos comprado o pequeno-almoço no dia anterior, por volta das 9h pegámos nas nossas malas e fomos à procura de um táxi para Santa Clara. Fomos parar ao centro de Havana, onde encontrámos o Capitólio e a parte mais recente da cidade de Havana

Ao chegarmos à praça de táxis, um senhor ajudou-nos a arranjar um táxi e conseguimos um jipe.

A viagem até Santa Clara – cidade onde está sepultado Che Guevara – demorou 3h. Ao chegarmos lá, encontrámos, pela primeira vez, um bom supermercado onde comprámos manteiga de amendoim, bolachas e cereais e sentámo-nos na praça a comer.
Depois de comermos, começámos a andar em direção ao centro da cidade e decidimos ir num cavalo-táxi e, como o senhor era muito simpático, ajudou-nos a arranjar lugar para dormir.

Ele levou-nos a uma casa que tinha piscina, 2 quartos e um mini-restaurante e então decidimos ficar lá. Tivemos 2 horas para descansar e eu, a Caya e a Kiki fomos para a piscina beber Pinacolada.

4° Dia:

 

school at sea mariana rosa expedicao cuba 3 2018

“Ter ido ao zoo até foi engraçado, mas ao mesmo tempo triste, porque os animais não têm muito espaço”

Tomámos o nosso pequeno-almoço na casa e por 3 Cuc tivemos ovos, pão, 6 tipos de fruta, chá, café...

Durante a manhã tivemos a trocar dinheiro e a falar com os nossos pais. Fomos almoçar a um restaurante ainda mais barato do que na noite anterior e num cavalo-táxi fomos para o zoo.

Ter ido ao zoo até foi engraçado, mas ao mesmo tempo triste, porque os animais não têm muito espaço.

Quando saímos, fomos outra vez num cavalo-táxi para uma fábrica de tabaco, mas, para nosso azar, as visitas eram só até às 13h e por isso só conseguimos ver pela janela. Mesmo assim, valeu a pena.

Depois disso, andámos pela cidade à procura de um cabeleireiro. Algumas pessoas estiveram a cortar o cabelo e eu estive novamente a fazer tranças.

school at sea mariana rosa expedicao cuba 1 2018

“Fomos outra vez num cavalo-táxi para uma fábrica de tabaco”

5° Dia:

Acordei às 5h da manhã para falar com os meus amigos da Vela, do Clube Naval da Horta, porque eles iam ter uma prova local [Regata do Carnaval] e fui dormir outra vez.

Acordei por volta das 8h para ir tomar o pequeno-almoço, muito bom outra vez.
Ao sairmos de casa, o senhor ofereceu-nos um colar para nos dar sorte no caminho e também nos deu a morada de uma casa em Trinidade para ficarmos e disse que uma senhora ia estar à nossa espera no terminal.

Preparámos tudo, fomos à procura de um táxi para Trinidade, que fica a cerca de 100 kms de Santa Clara, no sul  do País. Quando chegámos, a senhora estava à nossa espera e levou-nos a uma casa muito bonita, com 2 quartos, e decidimos ficar lá.

school at sea mariana rosa expedicao cuba 2 2018

“Andámos de cavalo por cerca de 4 h e foi uma das melhores experiências”

Fotografias cedidas por: Susana Rosa

Eu perguntei se ela sabia onde podíamos andar de cavalo e ela tratou de tudo. Quando voltámos do almoço, eles já estavam à nossa espera e fomos até o Parque Nacional, onde pudemos também nadar numa cascata.

Andámos de cavalo por cerca de 4h e foi uma das melhores experiências.

Depois de um dia cansativo, jantámos e fomos logo dormir.

6° Dia:

Acordámos, tomámos o pequeno-almoço e depois fomos às lojas comprar presentes.
Almoçámos, preparámos tudo e fomos para a praia de Ancon. Uma bela praia com areia branca e água clara.

Tivemos lá cerca de 2h e às 5h apanhámos o autocarro para casa. Tomámos banho e fomos jantar. Apesar de ter sido a noite em que tínhamos mais dinheiro para gastar, foi quando jantámos mais barato, com bebida e sobremesa incluídas.

Como chegámos a casa cedo, fiquei com as raparigas do quarto a falar até 22h e depois fomos dormir.

7° Dia:

Depois de uma boa noite de sono, acordámos, tomámos o pequeno-almoço, preparámos as malas e fomos para a cidade.

Uma parte do grupo ficou a usar a internet e a outra foi ao banco trocar dinheiro.
Apanhámos o táxi para Cienfuegos, onde o “Thalassa” nos esperava. Almoçámos e ficámos até às 17h a passear pela cidade, porque a essa hora fomos para o barco.

Foi outra viagem inesquecível, num país muito diferente, com muito calor, música e também muita cultura. Encontrámos pessoas espetaculares, sempre dispostas a ajudar, o que tornou a nossa Expedição um sucesso!

No nosso grupo tivemos algumas divergências de opiniões sobre as decisões a tomar, mas depois de conversarmos bem, tudo se resolvia.

Vamos ficar em Cienfuegos mais dois dias, para reorganizarmos as tarefas a bordo, trocar de quartos e de turnos. Próxima paragem: Bermudas”.

“Obrigada a todos os que me apoiam”

Susana Rosa explica que a Fundadora e Directora do “School at Sea”, Monique Touw, sugeriu que os alunos escrevessem cartas à Família e Amigos, o que aconteceu aquando da sua visita entre Curaçao e San Blas. Como tal, Mariana decidiu escrever aos Pais – Susana e Fernando Rosa – aos Avós (grandes apoiantes da neta a todos os níveis), aos colegas velejadores do CNH e ao próprio CNH.

As cartas foram colocadas nos CTT quando Monique Touw chegou à Holanda, o que explica que só a semana passada os pais da velejadora do CNH tenham recebido esta missiva.

De sublinhar que a carta de Mariana já foi lida em reunião de Direcção, realizada esta semana, e todos se congratularam com a iniciativa e conteúdo da mesma.

A mãe da velejadora refere que “ela aprecia muito o apoio recebido e não se cansa de agradecer a todos”.

Naturalmente que as pessoas que pesaram decisivamente na concretização do sonho de Mariana Rosa foram a Família, Patrocinadores e Amigos, sempre lembrados.

O apoio dado pelo Clube Naval da Horta, em termos de incentivo e acompanhamento da viagem – além da lembrança recebida antes da própria viagem: um casaco do CNH – são aspectos importantíssimos para esta velejadora da casa, que regista tudo na cabeça e no coração. 

Carta dirigida ao Clube Naval da Horta

school at sea carta mariana rosa ao cnh 2018

13-01-2018

San Blas

Querido Clube Naval da Horta,

Obrigada por todo o apoio que me estão a dar, não podia estar mais grata!

A viagem está a ser incrível! Todos os dias acontece algo de novo, como por exemplo, há uns dias atrás, quando estávamos a vir para o Panamá, apareceu uma tromba de água a uns metros de nós.

A minha parte favorita da viagem até agora foi sem dúvida, o Boiling Lake em Dominica!

Já estou a quase metade da viagem, daqui a 3 meses estou de volta a casa! O tempo passou tão rápido.

Não há muito mais a dizer.

Obrigada por tudo. Beijinhos,

Mariana

 

Itinerário da viagem:

De 21 a 26 de Outubro de 2017: Amsterdão

De 27 de Outubro a 16 de Novembro de 2017: Navegação

De 17 a 23 de Novembro de 2017: Santa Cruz, Tenerife

De 24 a 30 de Novembro de 2017: Navegação

De 1 a 3 de Dezembro de 2017: Cabo Verde

De 4 a 19 de Dezembro de 2017: Navegação

De 20 a 24 de Dezembro de 2017: Dominica

De 25 a 29 de Dezembro de 2017: Navegação

De 30 de Dezembro a 6 de Janeiro de 2018: Curaçao

De 7 a 12 de Janeiro de 2018: Navegação

De 13 a 18 de Janeiro de 2018: San Blas Eilanden (Panamá)

De 19 a 20 de Janeiro de 2018: Navegação

De 21 de Janeiro a 1 de Fevereiro de 2018: Costa Rica

De 2 a 12 de Fevereiro de 2018: Navegação

De 13 a 24 de Fevereiro de 2018: Cuba

De 25 de Fevereiro a 4 de Março de 2018: Navegação

De 5 a 10 de Março de 2018: Bermuda

De 11 a 24 de Março de 2018: Navegação

De 25 de Março a 1 de Abril de 2018: Açores (Ilha do Faial)

De 2 a 17 de Abril de 2018: Navegação

De 18 a 21 de Abril de 2018: Ijmuiden (Holanda)

Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.